(41) 99201 2700 (41) 3027 7200 sergiocorreia2700@me.com
erosao-nos-dentes

O que é erosão dentária?

Desgaste natural dos dentes pode acontecer devido aos hábitos alimentares e estilo de vida

Você sabe o que é erosão dentária? O problema acomete crianças e adultos que têm os esmaltes dos dentes desgastados por ácidos não bacterianos. E de onde vem esse ácido que acaba com os dentes? Dos hábitos diários: alimentos e bebidas consumidos, chicletes e açúcares, e até mesmo de distúrbios, como bulimia ou da inofensiva natação.

A erosão dentária pode se originar de diversas maneiras, mas as duas principais formas são a intrínseca, quando os dentes são afetados por ácidos gástricos produzidos pelo próprio organismo do indivíduo, que tem uma saliva com pH mais ácido. Este fator é mais observado em pessoas com vômitos recorrentes, gestantes, bulímicos.

E a extrínseca,  causada pela ingestão de alimentos ácidos, como frutas e refrigerantes, ou até mesmo remédios. Neste caso, vale a máxima “você é o que você come”. Mas, infelizmente, não é tão simples assim. Como dissemos, vários outros fatores podem causar a erosão dental, como a água da piscina, que tem um pH mais baixo, ou até mesmo a exposição à poluição.

“Quem sofre de erosão dentária tem mais sensibilidade e perda da coloração original dos dentes. É importante verificar rapidamente qual a causa para buscar a melhor forma de tratar ou minimizar os sintomas”, afirma Sergio Correia, dentista no Batel, bairro nobre de Curitiba.

Como acontece

Ao nos alimentarmos, o pH da boca fica mais ácido. Quem trabalha para neutralizá-lo é a saliva – por isso alertamos quanto à baixa produção de saliva ou boca seca. Mas, quando o hábito alimentar é incorreto ou a acidez da boca prevalece, nem mesmo os bons cuidados de higiene são suficientes.

Para saber se está com problemas de erosão dentária, basta observar:

Aumento da sensibilidade dental: com o desgaste do esmalte dentário, é provável que essa sensação cresça, principalmente com a ingestão de bebidas geladas ou ácidas;

Dente translúcido: com o esmalte mais fino, a tendência é que o dente fique translúcido, além de ter alterações em seu formato;

Cor amarelada: como abaixo do dente vem a dentina, que é amarelada, o mesmo passa a apresentar esta coloração com o desgaste.

O que fazer

O diagnóstico precoce agiliza o tratamento e a recuperação. Por isso, nos primeiros sinais de sensibilidade, é importante visitar o dentista para investigar qual a causa da erosão dentária, há quanto tempo os dentes estão expostos aos ácidos e qual a frequência.

Nos casos iniciais, o dentista pode indicar a melhor forma de recuperar os dentes e devolver o sorriso saudável. Com esse diagnóstico, já é possível pensar em medidas para evitar o progresso da erosão, como uma aplicação de flúor para aumentar a resistência ao ácido e tentar promover a remineralização.

Outras ações que podem ser tomadas é não escovar os dentes logo após o consumo de alimentos ácidos, utilizar escovas macias e sempre com pastas com flúor e baixa abrasividade, e enxaguar os dentes após o consumo de bebidas ou alimentos ácidos.

“Mudanças no estilo de vida também são favoráveis, como evitar o consumo de determinados alimentos que interfiram no processo. Casos mais avançados dependem de restaurações ou, até mesmo, próteses”, salienta Correia.

Entre os alimentos com risco de causar a erosão, podemos citar as frutas cítricas, como laranja, limão, abacaxi, além de vinhos e refrigerantes.

Informações do Autor

Dr. Sergio Correia

Formado em Odontologia pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná em 1997. Professor do Curso de Resolução Cirúrgica de Dentes Inclusos ABO-PR. Especialista em Dentística Restauradora ABO-PR (Latu Sensu). Especialista em Periodontia ABO-PG (Latu Sensu). Credenciado Sistema Neoguide de Implantes. Pós Graduado em Implantes Ilapeo/PR. Membro da Sociedade Brasileira de Odontologia Estética (SBOE). Membro International Federation of Esthetics Dentistry (IFED).