(41) 99201 2700 (41) 3027 7200 sergiocorreia2700@me.com
dentes-manchados

O que são as bactérias cromogênicas?

Tipo de micro-organismo é responsável por deixar os dentes manchados, prejudicando a estética e a autoestima, mas com um tratamento bastante simples

Existem vários tipos de manchas nos dentes: das claras às escuras, extrínsecas ou intrínsecas, causadas por alimentos, medicamentos ou por alterações no desenvolvimento dentário. Hoje vamos falar dos dentes manchados com as manchas extrínsecas, isto é, causadas por substâncias na superfície do dente, mais especificamente as bactérias cromogênicas. Você já ouviu falar delas?

As bactérias cromogênicas se formam com a junção da bactéria com a saliva. Em resumo, os resíduos de alimentos que ficam em nossa boca devido à má higienização geram a proliferação das bactérias que, em contato com a saliva, podem resultar nas cromogênicas.

Esses pigmentos escuros são formados por compostos férricos e se alojam nos dentes, próximos à gengiva, causando um problema estético de difícil remoção.

“Somente um profissional consegue diagnosticar as bactérias cromogênicas, já que as manchas podem ser confundidas com outras de origens diversas”, explica Sergio Correia, dentista em Curitiba há 20 anos.

O maior incômodo causado pelas manchas é estético, pois prejudica a aparência e somente a escovação não as eliminam. “É possível removê-las durante a profilaxia com a raspagem das manchas, realizada em consultório. Por isso, é fundamental o agendamento com profissional assim que elas aparecerem”, salienta Correia, que trabalha com equipamentos modernos para minimizar a dor e o incômodo do paciente.

Bactérias cromogênicas e as cáries

Uma relação interessante aparece quando se trata das bactérias cromogênicas e as cáries: dizem que pessoas com as manchas das bactérias estão menos propensas a cáries, pois as bactérias competem entre si.

Mito ou verdade, o importante é cuidar bem para que os dentes manchados não tenham vez na sua boca. Escová-los diariamente e de forma completa, com o uso de fio dental e enxaguante bucal, evitar o tártaro, além de visitar o dentista periodicamente são formas de prevenção.

E, caso esteja precisando de um profissional, não espere para agendar a sua consulta. Quanto antes o diagnóstico do dentista, mais fácil será o tratamento.

Informações do Autor

Dr. Sergio Correia

Formado em Odontologia pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná em 1997. Professor do Curso de Resolução Cirúrgica de Dentes Inclusos ABO-PR. Especialista em Dentística Restauradora ABO-PR (Latu Sensu). Especialista em Periodontia ABO-PG (Latu Sensu). Credenciado Sistema Neoguide de Implantes. Pós Graduado em Implantes Ilapeo/PR. Membro da Sociedade Brasileira de Odontologia Estética (SBOE). Membro International Federation of Esthetics Dentistry (IFED).