(41) 99201 2700 (41) 3027 7200 sergiocorreia2700@me.com
mau-halito

Consultar um dentista é só o início do combate ao mau hálito

Estima-se que existam mais de 60 causas para o problema, sendo que a maior parte delas tem origem na boca, ao contrário do que muitas pessoas imaginam

Cerca de 30% dos brasileiros, o equivalente a aproximadamente 60 milhões de pessoas, sofrem com o mau hálito no país, de acordo com a Associação Brasileira de Halitose. Ao contrário do que se imagina, nove em cada dez casos diagnosticados do problema tem sua origem na boca.

Contudo, identificar a causa do problema não é tão simples assim: existem mais de 60 razões diferentes para o mau hálito. Por esse motivo, em muitas situações, o tratamento inicia no consultório odontológico, mas é preciso uma análise multifatorial para identificar a origem e, de fato, ter sucesso no combate ao mau hálito.

O fator higiene

Erros no momento de fazer a higiene bucal são um dos fatores determinantes para o surgimento do problema. É importante que os dentes sejam escovados após as refeições – ao menos, 3 vezes ao dia –, com o uso do fio dental e não esquecer de escovar também a língua.

Um dos sinais buscados pelo profissional é a chamada saburra lingual (quando a língua fica branca). “Esse sinal está presente na maior parte dos casos de halitose decorrentes de causas bucais. Além disso, a baixa quantidade e qualidade de saliva costumam interferir nesses casos”, explica o dentista Sergio Correia, dentista em Curitiba, especialista em dentística restauradora e periodontia.

No consultório, o profissional fará uma série de exames e, buscando por infecções (uma das principais causas da situação) ou problemas periodontais para fazer a realização da limpeza, o que costuma ser eficaz no combate ao mau hálito.

Causas sistêmicas

Como falamos anteriormente, em 90% dos casos, o dentista será capaz de identificar a causa e realizar o tratamento. No entanto, se, após o procedimento, o problema persistir, o paciente pode ter causas sistêmicas para o mau hálito, que podem exigir a participação de outros profissionais, já que será preciso investigar outros órgãos, como o estômago. Nesse caso específico, o dentista pode sugerir que o paciente procure outros profissionais.

Fatores fisiológicos

Em algumas situações, o mau hálito é algo que pode ser considerado natural, conforme o estilo de vida do paciente. Confira algumas dessas situações:

– Jejum prolongado (ao acorda; em regimes)

– Uso de determinados medicamentos

– Tabagismo

– Uso excessivo de álcool

Se o mau hálito é um problema em sua vida, agende uma consulta com o dentista Sergio Correia para identificar a causa e combater, de fato, o mau hálito.

Informações do Autor

Dr. Sergio Correia

Formado em Odontologia pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná em 1997. Professor do Curso de Resolução Cirúrgica de Dentes Inclusos ABO-PR. Especialista em Dentística Restauradora ABO-PR (Latu Sensu). Especialista em Periodontia ABO-PG (Latu Sensu). Credenciado Sistema Neoguide de Implantes. Pós Graduado em Implantes Ilapeo/PR. Membro da Sociedade Brasileira de Odontologia Estética (SBOE). Membro International Federation of Esthetics Dentistry (IFED).